quinta-feira, 23 de julho de 2009

Sou moderno,

mas uso trema,

usava, não sei mais
Até ontem eu também bebo,
bebia, não sei mais.

Tenho andado com os
olhos tão abertos...
Até a poesia tem carecido de,
você sabe, poesia.

A alma pesada a pensar
pensar pensar não colabora em nada,
eu sei, mas prometo,
se amanhã for sol,
há de se estampar com um sorriso
momentâneo.

2 comentários:

Jéssica Mendes disse...

Eu tenho pena do pinguim.

Não, resistirei e insisto no pingüim.

Privilégios de quem pode pedir uma licença poética?!

javimelhores disse...

Use o trema, beba, feche os olhos, renegue o sol e esqueça o sorriso, Paulo.
É bem melhor pra poesia. Ou não.
haha